102016Fev
Depressão e Hipnoterapia, a terapia que ajuda!

Depressão e Hipnoterapia, a terapia que ajuda!

Bom dia,

Hoje venho falar-vos de um tema frágil, mas que cada vez mais assombra a nossa sociedade devido a inúmeros fatores mas principalmente devido ao stress e opressão que ultimamente temos vivido. Falo-vos da depressão!

Como terapeuta sou procurada por inúmeros motivos, desde correção estrutural, a correção de alguma “anomalia” dos órgãos internos, entre outras, mas ultimamente tenho sido bastante procurada devido ao snc (sistema nervoso central).

Todo o nosso corpo é dependente do nosso bem estar e se a “nossa cabeça” não está bem, nós também não podemos estar. Todos nós sentimos e passamos por altos e baixos no nosso humor. A tristeza é uma reação normal às situações de vida, tais como lutas, discussões, perdas, derrotas e deceções.
Muitas pessoas usam a palavra depressão para explicar estes tipos de sentimentos, porém esta doença é muito mais do que tristeza e existem muitas dificuldades de ordem emocional associadas a esta patologia. Algumas pessoas descrevem-na como “viver num buraco negro” ou ter um sentimento de desgraça constante.
Assim sendo, como terapeuta venho falar-vos do verdadeiro sentido da palavra depressão.

A depressão é uma doença mental que se caracteriza por tristeza mais marcada ou prolongada, perda de interesse por actividades habitualmente sentidas como agradáveis e perda de energia ou cansaço fácil.
Ter sentimentos depressivos é comum, sobretudo após experiências ou situações que nos afetam de forma negativa. No entanto, se os sintomas se agravam e perduram por mais de duas semanas consecutivas, convém começar a pensar em procurar ajuda.
A depressão pode afectar pessoas de todas as idades, desde a infância à terceira idade, pode ser episódica, recorrente ou crónica, e conduz à diminuição substancial da capacidade do indivíduo em assegurar as suas responsabilidades do dia-a-dia.
A depressão é mais comum nas mulheres do que nos homens: um estudo realizado pela Organização Mundial de Saúde, em 2000, mostrou que a prevalência de episódios de depressão unipolar é de 1,9 por cento nos homens e de 3,2 por cento nas mulheres.

Quais os sintomas da depressão, perguntam-me vocês? Os sintomas principais são:
• Sentimentos de falta de apoio, desespero, falta de vontade de viver. Um panorama desolador, pensa que nunca mais nada irá ficar melhor e que independentemente dos seus esforços, não há nada que você possa fazer para melhorar sua situação.
• Perda de interesse nas atividades diárias. Falta de interesse nos passatempos anteriores, lazer, atividades sociais, ou sexo. Você perdeu a sua capacidade de sentir alegria e prazer na vida.
• Alterações no apetite ou no peso. Significativa perda de peso ou ganho de peso com uma alteração em mais de 5% do peso corporal num mês.
• Alterações do sono. Ou insónia, especialmente acordar nas primeiras horas da manhã, ou dormir demais.
• Irritabilidade ou inquietação. Sente-se agitado, e inquieto. O seu nível de tolerância à frustração é baixo, tudo e todos lhe provoca nervos.
• Perda de energia. Sente-se cansado, lento, e fisicamente esgotado. Todo o seu corpo pode sentir-se pesado e até mesmo pequenas tarefas são difíceis de realizar ou a demorar mais tempo para serem concluídas.
• Auto-aversão. Fortes sentimentos de inutilidade ou culpa. Você critica-se duramente a si mesmo por falhas percebidas e erros.
• Problemas de concentração. Dificuldade para se concentrar, tomar decisões, ou lembrar as coisas.
• Dores inexplicáveis. Um aumento do número de queixas físicas, como dores de cabeça, dores nas costas, dores musculares e dor de estômago.

Como podemos combater esta doença perguntam-me vocês? Sem duvida nenhuma que em todas as doenças, a prevenção é sempre a melhor abordagem, designadamente para as pessoas em situação de risco, pois permite a intervenção precoce de profissionais de saúde e impede o agravamento dos sintomas.

Quando este método já não vai a tempo o melhor é aceitar a ajuda do profissional e seguir os seus concelhos, na minha opinião um dos melhores métodos, com efeitos mais rápidos e duradouros, sem efeitos colaterais e não tão prejudiciais à saúde é a HIPNOTERAPIA!
SIM! A Hipnose Clínica pode ajudar!
A Hipnose Clínica tem resultados fantásticos no tratamento da depressão pois recorre a ferramentas que ajudam a trabalhar o sistema emocional, para as pessoas se libertarem das emoções negativas que transportam, tais como o medo, a dor, a mágoa e a angústia.
Todos nós somos condicionados pela forma como pensamos, pela estratégia que utilizamos e a Hipnose Clínica intervém, promovendo novas formas de ver e pensar a realidade
Existem algumas dicas, para além de um processo de Hipnose Clínica que podem ajudar a pessoa a sair desse registo de depressão:
• Cultivar relacionamentos de apoio
• Fazer exercícios regulares
• Regular o sono
• Alimentar-se saudavelmente para impulsionar naturalmente o humor
• Gerir o stress
• Praticar técnicas de relaxamento
• Complementar carência alimentar (vitamina e Omega 3) com suplementação natural
• Desafiar padrões de pensamentos negativos

Espero que este artigo tenha sido útil e se estiverem interessados em saber mais sobre a hipnoterapia, visitem o nosso facebook
https://www.facebook.com/anafalcaosaudeebemestar/?fref=ts

estaremos ao vosso dispor para qualquer esclarecimento,

Obrigada e até a próxima semana 
Ana Claúdia Falcão